terça-feira

3 anos de Maio Sangrento

"O Brasil é um país hospitaleiro. Suas terras são verdes, seu mar azul, o sol aponta no horizonte quase o ano todo. Nossas praias são lindas, nossas mulheres deslumbrantes, nosso povo alegre e hospitaleiro. No Brasil não há terremotos, maremotos, furacões. O Brasil é um país pacífico, aqui não há guerras civis ou raciais, e repudiamos o terrorismo."
Alguém se lembra dessas palavras? Todos ouvimos isso quando crianças. Todos divulgamos isso quando adolescentes. É a cartilha ideal para turistas.
Pois é, o Brasil não é mais assim. Talvez nunca tenha sido.
Hoje vemos tempestades tropicais em Florianópolis, tremores de terra em Mato Grosso, secas e inundações no interior do país. E, claro, mulheres esteticamente prejudicadas no Largo da Batata/SP.
E também vemos guerra civil e terrorismo.
Em 2006, houve uma onda de atentados pelo PCC, com direito a toque de recolher, churrasquinho de ônibus, e cotidiano palestino. Criou pânico na população, desnudou a inépcia governamental, justificou uma reação butal da polícia, e deixou um gosto amargo no inconsciente coletivo. Foi o chamado "maio sangrento".
Eu vivi intensamente aqueles dias negros. Caí nos boatos, reencontrei meu selvagem da caverna. Um belo dia de fúria e paranóia.
E o que levamos disso?
O mais completo retrato do caos social, da crise humana, do pós-modernismo.
A falácia brasileira.

1 Comments:

At 2:38 da tarde, Blogger Domingos said...

Leco, o Brasil, infelizmente, está um horror. Apesar de todas as coisas bacanas que temos - natureza e...- o que impera é a violência, a falta de ética, a falta de educação, a lerdeza dos governos, todos os absurdos que me deixam sem esperança de ver um país civilizado. Civilidade é o que mais falta, respeito ao próximo, cuidado com as cidades, atitudes inteligentes e construtivas. Indústria Cultural de masa pobre, podre, imbecilizante e manipuladora ao extremo. Xuxas e Ivetiiss, aliás, um belo casal. Anyway, você vai ao show do Pedra no sábado no CCSP?

abs

 

Enviar um comentário

<< Home